sábado, 21 de fevereiro de 2009

Sobre o vestibular.

Coisa mais estranha... Eu fiz cinco vestibulares para biologia e só consegui passar naquele em que eu realmente estudei. Dããããã... Ok, isso não é estranho. Mas espera que eu não terminei ainda! O estranho foi esse vestibular para psicologia... Não estudei nada, nada... Apenas entrei lá (na sala de provas é óbvio...) e... Epa! Lembra de uma história! continuo o relato... Seguinte... no dia de fazer a primeira prova (04/01/09) eu peguei meu ônibus na maior calma mas achei que ia me atrasar e perder a prova. Acabei embarcando em um Puc-alguma-coisa que me levaria até o campus do vale (o mesmo em que eu cursava biologia...). Entrei no busão e me pus a ler o livro Neve que a minha maninha emprestou-me e fiquei a parte do que ocorria na condução. Até que em certo momento percebi que havia alguma agitação lá dentro. Era o cobrador xingando os vestibulandos por causa do atraso deles. Dizendo que se queriam fazer a prova deveriam ter saído bem antes de casa e coisa e talz... Enfim... O pessoal estava nervoso por achar que a prova começava as oito e e o cobrador resolveu sacanear eles mais um tanto dizendo que eles tinham perdido a chance já... Bem vocês imaginam a tensão que ficou lá dentro ? Pois quando eu resolvi dizer que eles podiam ficar todos calmos pois a prova iniciava apenas as oito e e meia um "tiozão" levantou-se e ergue a mão de modo triunfante dizendo: "Não irei perder a prova! Vou pegar um táxi! Quem vem comigo???" Bah... Aí sim eles iam perder a prova, com certeza. Mas antes que eu pudesse argumentar um outro 'tiozão" disse que não precisavam pegar táxi coisa nenhuma pois patatí-patatá... Bem... Aí começou um breve bate boca entre os dois com uma galera adolescente esperançosa (desesperada?) querendo saber quem estava mais certo. Pois bem, graças as risadas do cobrador e a prepotência arrogante do "tiozão" do táxi os adolescentes se intimidaram tanto que optaram rachar um táxi. Bom... Aí eu decidi que se eles eram burros pára acreditar nos argumentos dele ("O manual diz para estar lá as oito em ponto e as provas iniciam as oito e meia, se você não estiver lá perde a prova..." blá, blá, blá) eles deveriam realmente perder a prova pois no ano que vem teria de novo e eles teriam melhores condições de fazê-la eheh. Enfim... Sadismo a parte é claro que quando chegou mais perto do local de prova a fila de carros estava insana... Era óbvio que eles iriam perder a prova. Até eu achei que ia perder pois estava perto das oito e meia e mesmo o ônibus indo livre pelo corredor engarrafou tudo na finaleira... Aí eu desci e fui correndo (com um bando de loucas que caíram no meu papo de eu conheço o caminho, se bem que eu conhecia mesmo mas aí para acreditar em qualquer um??? Por favor ...) pra terminar a interrupção da postagem eu digo que eles devem ter conseguido realizar a prova afinal pois esta atrasou vinte minutos ( a Coperse deve ouvir as condições do trânsito antes de tocar a sirene...). Pois bem, dando prosseguimento ao relato... Quando eu entrei na sala de provas eu senti a tensão no ar. Estava tão densa que parecia que eu poderia cortar com uma faca sabe? E eu estava de terno pois tinha que fazer plantão na parte da tarde. Quando eu entrei na sala eu pude perceber os olhares deles dizendo: "Meu Deus! Ele tá de terno! Ele sabe mais do que eu!!!!" É... Eu só pude rir... Provavelmente aquele pessoal (que tinha por volta dos dezoito anos) havia estudado mais do que eu mas estavam com medo do que eles não conheciam: o vestibular, mais que isso... Medo do futuro. Depois de fazer a prova me pus a pensar na tensão da sala e lembrei do quanto eu achava importante o vestibular para biologia. Eu acreditava que aquilo ia definir todo o meu futuro. Huahuahuahua!!! Mas nem a pau! Eu fiz muito mais coisas depois daquele vestibular que definiram o meu ser... Casei, separei, tive depressão, crise de estresse, estudei, trabalhei como vigilante... Putz! Não é essa a ordem dos fatos mas isso tudo aconteceu... Enfim... Eu descobri que o meu futuro só pode ser definido por mim, não pelo resultado de uma prova (mesmo que este dependa do meu desempenho). O medo e o nervosismo fez aquela galera rodar e eu não. Alguns devem ser meus colegas, não parei para conferir os nomes mas acho que a maioria naquela sala rodou. E eu para passar bastou fazer a prova de modo despretensioso, tranquilo. Mas então veio a tensão do listão. Dessa nem eu pude escapar. Dentro de mim eu sentia que havia passado (por motivos religiosos até...) mas ainda havia aquela dúvida, a insegurança que nós enfrentamos diante de um grande teste. Me senti um pouco adolescente-racha-táxi... Pois bem... Quando saiu o listão uma amiga minha me ligou para me parabenizar por eu ter passado. Putz... Ela ficou mais feliz do que eu. Todo mundo ficou! Comecei a receber algumas mensagens no meu celular e me pus a ligar para algumas pessoas para contar que eu havia passado e em todos os casos a reação era a mesma: eles estavam mais contentes do que eu. Não que eu estivesse triste mas a certeza era plena (aham, acredito... tá mais para se tornou plena depois que o nome saiu eheh) de que eu ia passar que não foi surpresa para mim. Claro que eu fiquei feliz em ter passado. Há muita coisa vinculada a estudar psicologia na minha vida (planos futuros...) e passando na UFRGS tudo se mostrou indo bem. Mas ainda assim me surpreendi em encontrar uma amiga minha da biologia que fazia uns dois meses que eu não via e ela me parabenizar por eu ter passado. Putz! Tá certo que eu não sou um gênio mas vestibular não me mete medo mais não. Agora provas de cálculo...