quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Sobre amigos, festas e afins.

Bah... Essa postagem demorou pra sair. Tava guardada parcialmente na minha mente e parcialmente no blog. O que aconteceu? Deletei a parte do blog e atualizei pela minha mente. Vamos ver no que deu...

Seguinte... A um tempinho (um mês eu acho... no máximo dois) eu andei saindo com meus amigos pra festear. Claro que isso incluía bebida e mulheres (mais especificamente mulher). Daí num daqueles momentos de insight que a gente costuma ter eu parei pra analisar o que eu via acontecer a minha volta. Muita gente curtindo sair comigo (ta mais pra e estavam comigo...) e se divertindo pacas. Mas com que razão? Tipo... A gente sai pra se divertir e curtir aquele momento social pois necessariamente somos socais e coisa e tal mas de onde tiramos, como escolhemos... Enfim: por que saímos com nossos amigos? Ei! Antes que alguém reclame que eu to dizendo pra sair com o inimigo lê aí! A questão é o motivo de tornarmos certas pessoas especiais nas nossas vidas... Ouvi muitas vezes gente dizendo que não devemos ter amigos mas sim pessoas das quais possamos tirar algum proveito na hora em que necessitarmos. Bem... Eu não consigo olhar pras pessoas desse modo. Pra mim os amigos são gente que te faz sentir-se bem simplesmente por estar junto a elas. Seja por ideias, por aparência, por magnetismo... O motivo não importa muito. Só pra citar um exemplo um amigo meu me disse certa vez numa dessas baladas que ele gostava de sair comigo por eu ser muito "certinho" e impedir que ele bebesse demais e fizesse bobagens e coisas assim mas eu contra-argumentei que eu não fazia nada, que ele simplesmente me olhava e pensava "Opa! O Chimia ta aqui... Não posso fazer besteira...". Putz! É coisa da minha postura? Como diabos eu simplesmente por não beber até cair posso influenciar alguém? Sei lá... só sei que é assim!
Mudando o foco da coisa... Nessas festas a gente se diverte e extravasa o que acumulou ? É divertido! Você bebe, dança (com o molejo de um paralelepípedo, mas dança...) e sei lá... Beija muito? Não é o meu caso (exceto o paralelepipedismo...) mas vejo que os outros assim o fazem. Não é o meu caso? Será mesmo? É... Realmente não é mas num desses dias foi. Bebi (deve ter sido o cão que pois pra nóis bebe! Não entendeu? olha o Jeremias Muito Louco) e bebi demais. Conhaque... Coisa mais boa! Mas tomar meio litro de um talagasso só te derruba. Em três segundos... Contadinhos! Ainda mais se os outros 250ml da garrafa foi você quem tomou... Bem. Continuando... Passei mal, de verdade. Mas mal do tipo bebedeira (o que significa que uma noite de sono e você já está bem), até espumei e talz. Nessa hora quem vocês acham que entrou em cena? Os amigos é claro (a mulher também por sinal, mas ela tava incluída na cota dos amigos...)! Eles me levaram de taxí para o local mais apropriado para minha recuperação... A casa de um deles (não... hospital é coisa pra "fresco" pelo visto...). Como fiquei apagado só pude saber dos acontecimentos pela boca dos outros. Aí entram certas coisas que não convém nem falar (só citar... já fiz ...) mas enredos da Malhação a parte eu fiquei pensando: putz! Esse povo gastou, se estressou, me aturou (e olha que eu sou um bêbado chato e mandão!) e ainda me trocou a roupa (por um uniforme de mendigo... mas trocou!). Só faltou passar talquinho! Isso me fez pensar naq frase célebre do Saint Exupery: "Você é eternamente responsável por aqueles que cativares"... Gente assim, que te trata bem (apesar das fofocas...) e se preocupa com você merece sempre estar no seu coração. Mesmo que venham a te magoar por qualquer motivo que seja. Até por que "um amigo a gente perdoa... mas quem nós amamos não... não dá..." (Gianluca grignani, musica de fossa. total!). Vou tentar terminar a postagem pois ela está mais do que longa... O termino dessa minha desventura "amorosa" (aham... a da pelúcia... fazer o que... acontece !) e alcoólica foi com um outro grupo de amigos que estavam alheios a situação me dizendo que estavam preucupados com a minha atitude, que eu não era daquele jeito. Bem... Fiquem tranquilos... Eu estava apenas me divertindo e não planejei direito hehehe. Mas por fim, obrigado a todos os meus amigos. Essas pessoas que estão aí para ouvir a gente e falar quando necessitam. Pessoal que lembra de você quando planejam fazer alguma "agitação". Valeu gente, mas só uma coisa... Chega de conhaque por enquanto!

Gianluca Grignani - La mia storia tra le dita
Jeremias muito louco e se você viu isso olha isto aqui he he he Funk do Jeremias
Saint Exupery

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Sobre o ano que passou e o que eu espero de dois mil e nove.

Bem... Dois mil e oito foi um ano longo pra caramba para mim. Eu pretendia falar sobre isso logo após a virada do ano mas estava tão cansado que fui dormir e aí as coisas vão passando, passando...
Enfim... Aconteceu muita coisa comigo nesse ano que passou por isso eu senti com todos os efeitos possíveis aquela nostalgia que se abate sobre nós no final do ano. Não sabe do que eu falo? É quando você começa a pesar tudo o que lhe aconteceu numa espécie de "balança da justiça" onde tu tira lições finais dos acontecimentos. Bem talvez nem todos vocês façam isso, talvez apenas quem teve um ano longo ( podemos dizer até mesmo difícil) aprende como usar essa balança... Whatever... O que importa é que eu aprendi muito nesse ano que passou. Tive minha infância roubada de mim por mim mesmo. Mas essa infância já deveria ter sido abandonada a muito tempo por isso foi tão complicado me recuperar dos acontecimentos. Depois de ter meus sonhos despedaçados veio a fatídica depressão. Ok não tão forte quanto da outra vez mas ainda assim presente e próxima, como uma amiga íntima que pode entrar na sua casa e você nem tem coragem de expulsar pois ela parece fazer parte da sua casa. Bem... Depois de enxotar a tal amiga pra fora da minha casa eu pude me concentrar no que realmente importava: superação. Precisei superar muitos dos meus temores, muitas de minhas travas e assim mudar o ângulo pelo qual eu via as pessoas e o mundo. Menos inocência, mais sarcasmo e menos "se importar" com os outros. Aham... Até parece ? Na verdade eu continuo inocente, puro e besta. Mas com mais verbetes na minha enciclopédia hehehe. O que aconteceu na verdade é que eu passei a ver melhor as oportunidades que Deus e a vida me ofereciam. Colocar a lente certa, olhar de outro ângulo me permitiu correr alguns riscos e deixar aquela zona de conforto que todos nós temos medo de deixar. Todos. Passei a perseguir novos sonhos e a fazer listas de coisas que devo fazer em momentos da minha vida. Até agora tudo o que eu me propus a fazer tem dado certo seja por mérito meu ou por uma ajudinha do cara lá de cima. Bem... Quando eu me considerava limpo veio alguém me oferecer mais daquilo que me deixava mal eu me vi desnorteado novamente. Não tanto como antes mas sim um que de acho-que-da-para-fazer-as-coisas-serem-como-antes. Mas não deu... Na verdade meu próprio "vício" me enganou e fez eu acreditar em mentiras como essa que eu acabei de dizer. Não tem como ser igual a antes. De modo algum... Mas isso não se trata de algo ruim não, muito pelo contrário! Significa que eu ascendi um pouco mais como ser humano pois deixei de me manter naquela roda de vícios comuns ao nosso Ego (sabe aquele que sempre pede para ser satisfeito sem se importar como o ser vai ter de pagar para satisfazê-lo?) e pude seguir em frente mais uma vez. Enfim... Acredito que essa última frase resuma o que este ano que passou foi para mim: um ano de lutas constantes comigo mesmo, com meu espírito e com o mundo afinal eu não aceito o mundo como as pessoas desejam que eu veja.
Agora sobre dois mil e nove. Que seja o ano de renovação. Plantei muitas sementes no ano que passou e vou colher os frutos deste trabalho agora. Logo, logo! Desejo a todos um ótimo dois mil e nove. Que persistam em busca de seus sonhos e que tenham êxito em alcança-los.

Feliz ano novo!

On the capacity to speak in english and some conveniences from this.

Well... I'am not a very good "speaker" but i can write quite well. In realy i made lots of friends just talking in english (not rly friends but meets...), you know ppl fron online games, english foruns and so on. But speak in english has some advantages. First: u can talk with ppl around world with a kind of universal language. Second(and more important): u cant talk with others and ppl dont understand what u talking, sometimes even the one who you are talking... Well with this last thing in mind try to visualise this scene: a friend of mine (Rudi) and i talking in english in a lunchery because we dont want that a boy that was with us understand what we was talking, in rly we was talking about his mother and aunt. Ok, he dont understand a word about what we was talking (score for us!) but other ppl in the house dont understand too! So they soon start to make some "scary" face to us. Its was like a misture of "we dont speak" english with "we want to hear what u are talking about". Well... Fun for us!

Want translate? Try to use google translator. Cya!